ANCESTRALIDADE NO MORAR

Mostra de arquitetura, decoração e paisagismo

ANCESTRALIDADE NO MORAR

Na antiga residência do sr. Philippe Boris e sra. Risa Boris, projetada pelo arquiteto Reginaldo Rangel entre os anos de 1973 e 1974, estão os 28 ambientes desta edição da CasaCor Ceará.

Fortaleza, CE
CasaCor Ceará

Praça do Acolhimento por Mário Wilson (@arq.mariowilson)

A praça permite a contemplação da fachada da casa construída na década de 1970. A inspiração é a curva, vistas nos pergolados que foram revisitados, criando abrigos e sombras.

Loja Ceará feito à mão por Luciana Brasileiro (@lucianabrasileirointeriores) e Marcílio Sousa (@eme.interiores)

O estilo praiano empregou materiais atemporais, elementos rústicos, texturas e cores claras conferindo ao ambiente um toque de boho chic

Recepção por Gabriela Sobral (@gabrielasobral_arquitetura)

A proposta inclui texturas e materiais como pedras e concreto em combinação com tons verdes, madeira, couro, linho e barro. Destaque para os grandes vãos de esquadrias e a composição de tubos.

Lobby Lar da Gente por Rachell Aguiar (@rachellaguiararquitetura)

O grande cajueiro no centro do salão chama a atenção no espaço intimista, elegante e sóbrio que traz a geometria entrelaçada das formas em alusão à obra do homenageado Sérvulo Esmeraldo, prestigiando a arte e a cultura local.

Salão Origem (Sebrae) por Brenda Rolim (@estudiodobem)

Dividido nos três eixos (sertão, serra e mar), o projeto do espaço discursa sobre olhares para o passado e futuro, tradição e inovação, identidade e diversidade.

Casa de Praia por Lucas Cunha (@arquiteto_lucascunha) e Natália Vale (@viewarquitetura e @viewinteriores_

Para a criação deste ambiente confortável e que transmite a sensação de bem-estar e sofisticação, os arquitetos trabalharam os materiais e elementos arquitetônicos, como a platibanda e estrutura metálica no forro, vãos sem pilares, madeira e vidro.

Comedoria por Ney Filho (@neyfilhoarquitetura) O espaço gourmet é palco para edificar a união do design com a gastronomia cearense em uma proposta arquitetônica simples, vazada, limpa e pura. 

 

Vivenda dos ventos por André Monte (@andremonte_)

O estilo de vida do cearense foi o ponto de partida para o projeto que convida para viver momentos de paz e conforto, e de sentir o enorme prazer de estar em casa. Aberta ao vento e ao sol, a varanda é aconchegante.

BPK por Pedro Athayde (@pedroathayde.arq e @maisarq)

O ar do sertão é traduzido por meio de materiais naturais e acabamentos rústicos, a começar pelo piso. Similar ao concreto natural e batido, suas cores vivas lembram o calor do interior. Um tablado de madeira maciça une os espaços interno e externo e proporciona conforto térmico. O acabamento com porcelanato confere um toque moderno, auxiliando também na acústica dos banheiros e garantindo a privacidade e a usabilidade do ambiente.

Brasil Tropical por  Arthur Bonavides (@arthurhaller) O “brasileirismo” foi a inspiração. O paisagismo une modernidade ao estilo tropical. com o uso de diferentes plantas do bioma local.

Ser Estar Ceará por Elias Petruço (@eliaspetrucoarquiteto)

Conservando a estrutura original da casa, mas com uma linguagem contemporânea, o arquiteto transformou a varanda em um ambiente atemporal que dialoga com a regionalidade imbuída nas obras de artistas locais.

Estar Lugar de reencontro por Christiane Boris (@christianeboris.arquitetura )

Na casa de sua família, idealizada pelo pai Philippe Boris, a arquiteta apresenta um espaço inspirado no amor e na dedicação dos pais. Viagens, cultura e respeito à natureza estão representados em um espaço que inclui um convidativo jardim de inverno.

Escritório Contemporâneo por Danielle Valente (@daniellevalentearquiteta)

A luz natural do jardim interno é enaltecida e o vitral da fachada divide a área de trabalho e o espaço de relaxamento. Também originais da residência, os dormentes suspensos ao teto proporcionam uma iluminação indireta, ideal para a atmosfera intimista. O jogo de formas e volumes dos elementos projetados, juntamente com a forração em madeira, proporcionam elegância e aconchego. Materiais como pedras, couro e fibras naturais em tons terrosos criam um efeito despojado e atemporal. Destaque para os móveis de design nacional.

Lavabo assimétrico por Sophia Valente (@sophiavalentearq)

No lavabo com estilo contemporâneo, os rasgos na parede dão continuidade ao forro. O uso de seixos de pedras no piso, assim como a madeira, aplicada nas paredes, dão um ar natural e moderno, além de despertar sensações como aconchego e acolhimento. A bancada é assinada pela profissional. O toque final é dado pela iluminação, que valoriza materiais, cores e texturas.

Sala de Jantar do amante das artes por Daniele Ellery e Diego Carneiro (@diegocarneiroarquitetos)

Na lista de inspirações está a arquitetura brutalista, com características como o minimalismo e a mostra dos materiais reais nas edificações (uma herança do projeto original da casa), além de referências às obras de Athos Bulcão. O espaço conta com dois setores: a sala de jantar, com mesa autoral; e o lounge bar, composto por poltronas confortáveis e arrojadas e um aparador em tronco de raízes de madeira ebanizado.

Estância Piúba por Anik Mourão (@anikmouraoarquitetura e @anikmourao)

A piúba, madeira que era usada na fabricação de jangadas, e o conceito de permanência da estância formam uma relação com o sertão e o mar. Cores, texturas e aromas de “terroir” são assimilados no espaço, transformado-o em um ambiente de convivência, afeto e experiências.

Sala do Vinho por Lara Correia e Nathália Rangel (@studiolinear.arq)

A arquitetura moderna, tão característica nos projetos da dupla, foi adaptada ao ambiente que carrega histórias e elementos da década de 1970, como o revestimento de pedra e os brises. No projeto, a valorização da madeira, de tons mais sóbrios e de iluminação indireta, resultando em um espaço aconchegante e sofisticado.

Corredor da Artista por Claryanne Aguiar (@claryanneaguiararquitetura)

Arte e elegância estão juntas nesse projeto. A passagem que liga os ambientes da casa respira arte e proporciona alegria aos visitantes. As cores cinza e preta foram as escolhidas para valorizar as obras da artista.

Suíte Nagoya por Afonso Tomoda (@tomoda.arquitetura e @afonsotomoda)

Pela clarabóia, a claridade adentra a suíte com raízes orientais e grandes memórias afetivas. A cama tatame se destaca, assim como o banheiro no centro do quarto, com um ofurô também de madeira.

Aconchego da Ava por Joana Figueirêdo (@joanarquiteta e @joanafigueiredoo) O ambiente é uma homenagem à neta de Christiane Boris, filha de Philippe Boris, proprietário da casa. As raízes nordestinas estão por toda parte, trazendo para o meio urbano um pouquinho do sertão. As cores que remetem à terra, às folhagens e ao céu se conectam com os tons neutros, unindo o rural ao urbano.O piso, desenvolvido pela arquiteta, faz referência às rochas do nosso sertão central. No céu azul, trechos de histórias musicais nordestinas, enquanto o mural transita entre o passado e o futuro.

Suíte da Liz por Gustavo Augusto (@gustavoaugustoln), Laís Sampaio (@lais_sampaio) e René Parente (@reneparente e @lagus_arquitetura) Para um ambiente sensorial, os arquitetos escolheram elementos da arquitetura vernacular que despertam memórias afetivas e gatilhos emocionais. Alguns elementos fortalecem o conceito de casa original e resgatam nossa própria história, como o fulget aplicado na parede e no teto, a textura amadeirada no piso, os tecidos leves e rústicos e o painel ripado simulando os desenhos de uma renda.

Quarto Casal por Diego Studart (@diegostudartarquitetura) O quarto traz um conceito mais intimista com toques modernos e o conceito industrial por meio do uso de elementos como o cimento queimado e o metalon, que ganha a cor dourada. A integração entre quarto, closet e varanda tornam o ambiente mais amplo.

Banheiro do Casal por Natália Medeiros (@nataliamedeiros_arq) Idealizado pela neta dos proprietários do imóvel, o projeto carrega uma grande memória afetiva para a arquiteta. A pedra natural que reveste parte do banheiro representa a “rocha” que o lar deve ser. As entradas de luz natural e o jardim, originais da casa, foram mantidos e complementados com as mesas, que dão um ar de refúgio ao ambiente. O estilo contemporâneo é representado pelas linhas retas, metais sem brilho e amadeirados. A banheira e o mármore natural garantem sofisticação.

Pracinha da casa por João Dias  (@joaodias_design)  

As antigas praças, que reuniam famílias e amigos para momentos de relaxamento e contato com a natureza, inspiraram este ambiente aberto e inclusivo, com vista para o céu, localizado na área interna da casa e pensado para proporcionar ao visitante um estar tranquilo. O acesso, uma rampa transformada em passarela, passa sobre um espelho d’água. A composição une o som da água, uma iluminação cênica, a vegetação natural e uma mobília com obras do design e peças do artesanato cearense. 

O Escritório do João por João Dias (@joaodias_design) O ambiente, aconchegante, confortável e com detalhes de requinte, traz cores neutras, iluminação pontual, texturas orgânicas e formas geométricas. Além de mesas, o espaço conta com mobiliário assinado por designers brasileiros.Destaque para o painel executado por artesãos do grupo Barro Branco, de Majorlândia, sob a direção da francesa Natalie Nicolas e com apoio do designer cearense Túlio Paracampos.

Zarf Café por Ramiro Mendes (@ramiromendes) Em um grande banco ao ar livre, com uma tamareira como atração principal, Ramiro Mendes foi buscar em uma viagem à Turquia inspirações cotidianas e semelhantes às brasileiras, como o hábito de tomar café. O nome do espaço vem da taça zarf, onde a bebida é servida. Texturas e formatos de vasos e moringas de barro também influenciaram o projeto, que apresenta tons de bege e de vermelho. A composição de móveis mescla criações de designers locais e nacionais e a iluminação intimista em tons mais mornos valoriza ainda mais a árvore. As paredes revestidas com elementos em barro, os balcões e mesas de granito e os assentos em tramas e texturas diferenciadas complementam o local.

Bar do Cais por Juliana Hissa e Zaíra Mendes (@julianahissazairamendes) O projeto é uma homenagem ao icônico Cais Bar, que faz parte da história da cidade de Fortaleza. As raízes cearenses, tão presentes no local, também são evidenciadas no ambiente, com elementos que remetem aos consagrados artistas que deixaram sua marca no boêmio ponto de encontro. Os músicos estão por toda parte, nos detalhes decorativos: imagens, fotografias, trechos de músicas, pinturas…

Estúdio de gravação por Susana Clark Fiuza (@susanaclarkfiuza) O espaço, destinado às atividades da TV Otimista, fica no coração da casa, no jardim. Em meio a um universo verde, o ambiente apresenta materiais e cores relacionadas à cultura local. A madeira ganha espaço em uma perfeita harmonia com peças assinadas e inspiradas no povo brasileiro, de designers como Jader Almeida e Roberta Banqueri. O teto de vidro permite ver a imensidão das árvores, enquanto o piso é formado por pequenas pedras.

CasaCor Ceará (@casacorceara)                                                  Localização: Avenida Rui Barbosa, 901, Meireles, Fortaleza, CE Fotógrafo: Esdras Galeno Guimarães/Divulgação                               Texto Janaína Silva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima